Comprar OnLine Equipamentos Médico Hospitalares Contec MED™ BR: Princípio e Interferências na Oximetria de Pulso

Saúde - Notícias

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Princípio e Interferências na Oximetria de Pulso

Princípio e Interferências na Oximetria de Pulso


OXÍMETROS DE PULSO PRINCÍPIOS (SpO2)

É um método, não invasivo, para avaliar a oxigenação do paciente, isto é, a saturação do oxigênio da hemoglobina arterial (SO2). Para isto, utilizam se duas tecnologias básicas: a pletismografia óptica e a espectrofotometria. A pletismografia óptica é a tecnologia que produz formas de onda do sangue pulsátil através de diferentes quantidades de luz absorvida, sendo estas reproduzidas graficamente como forma de onda do pulso. A espectrofotometria é a tecnologia que representa as medidas quantitativas através do uso dos vários comprimentos de onda de luz, onde estes últimos são absorvidas e transmitidos diretamente através de uma dada espécie de substância.


princípio oximetria

SENSOR DO OXÍMETRO DE PULSO

O sensor do oxímetro de pulso é formado por uma fonte de luz, constituída de dois diodos emissores de luz (LEDs), e de um fotodetector, colocado no lado oposto do sensor. Este último recebe a luz proveniente dos sensores e detecta a diferença entre a luz transmitida e a luz que foi absorvida pelas moléculas de hemoglobina.

O oxímetro apresenta um monitor clínico não invasivo, um sensor que se adapta a cada tipo de paciente.

ORELHA (reutilizável, não estéril): > 30 kg
ADULTO (reutilizável, não estéril): > 40 kg
INFANTIL (reutilizável, não estéril): < 40 kg ou >40 kg

OBS.: PARA TODOS OS SENSORES MENCIONADOS ACIMA MUDAR DE POSIÇÃO DE 4 h em 4 h

Os sensores reusáveis não são estéreis, e requerem limpeza com um agente, como álcool a 70% ou solução 1:10 de água cândida (hipoclorito de sódio), antes de serem usados por um novo paciente. Não devem ser utilizados em pacientes infectados ou por aqueles que tiverem um maior risco de infecção.


sensor oximetros

INTERFERÊNCIAS

CERTAS SITUAÇÕES CLÍNICAS E TÉCNICAS PODEM INTERFERIR A OBTENÇÃO DE MEDIDAS PELO OXÍMETRO DE PULSO.

MOVIMENTAÇÃO DO SENSOR: O paciente se mexe muito, está com calafrio, emergências, etc. O fotodetector pode não ser capaz de diferenciar entre os campos de absorção de luz e a atividade pulsátil.*

BAIXA PERFUSÃO: Provoca fraca atividade pulsátil, resultando em pequeno ou nenhum aumento na absorção de luz. Neste caso, o oxímetro não consegue identificar e isolar o pulso arterial.*

PULSAÇÃO VENOSA: O sangue venoso normalmente não é pulsátil, mas em alguns casos (presença de torniquete, etc.), ele pode se tornar pulsátil, fazendo com que o oxímetro de pulso detecte esta pulsação, produzindo uma falsa saturação de SpO2.*

INTERFERÊNCIAS ÓPTICAS: Fontes de luz ambiente, tais como, luz solar, luz contendo infravermelho, luz de fototerapia, luz com brilho fluorescente e algumas luzes cirúrgicas, podem interferir com a leitura do oxímetro de pulso. O fotodetector pode detectá los e adicioná-los aos sinais recebidos do paciente, apresentando assim, uma leitura errada.*

EDEMA: A luz do sensor pode dispersar se por toda parte do edema no tecido antes de atingir o fotodetector, resultando, talvez, em leituras incorretas.*

ANEMIAS: Como o oxímetro se baseia na hemoglobina, esta deve se apresentar com uma coloração dominante no sangue. Doenças como anemia, onde há alterações nos valores de hemoglobinas, ocasionam informações não confiáveis de SpO2.*

METEHEMOGLOBINA: Esta são moléculas de hemoglobinas que foram oxidadas (por agentes como ferricianetos e nitritos ou drogas como sufamidas, fenacetina, etc.) e que por isso perderam sua capacidade de transportar oxigênio.*

DROGAS INTRAVASCULARES: Há drogas como o metileno azul, indicianina verde, etc. Podem causar súbito ou temporária diminuição da leitura da saturação do oxigênio imediatamente após a injeção.*

ESMALTE DE UNHA: Algumas cores tem apresentado interferência na leitura. Recomenda se a remoção do esmalte ou usar o sensor em outro lugar.*

DISEMOGLOBINAS: As hemoglobinas disfuncionais, como a carboxiemoglobina ou a metemoglobina são incapazes de transportar oxigênio. Embora os valores de SpO2, registrados por um oxímetro de pulso possam parecer normais, quando as hemoglobinas disfuncionais forem elevadas, a oxigenação pode estar comprometida devida ao baixo teor de oxigênio arterial. sempre que se suspeita a existência de hemoglobinas disfuncionais, recomenda se uma avaliação de oxigenação mais completa do que a oximetria.*

USO COM RESSONÂNCIA MAGNÉTICA E TOMOGRAFIA: Não é recomendado o uso do sensor de oximetria nestes ambientes. Foi comprovado que não somente a leitura de SpO2 é afetada, mas também os resultados dos mapeamentos.
Também pode ocorrer queimaduras no paciente, no local da aplicação do sensor, devido à indução de correntes pelo campo de RF gerado pelo equipamento de ressonância.

Consulte sobre Oxímetros e sensores de SpO2 próprios para o uso em sala de ressonância magnética.

* Recomenda-se a utilização de capnógrafo ou o método da gasometria.

OBS: Esta dica não deverá ser considerada como única fonte de informação ou referência, consulte procedimentos médicos que regulem o seu objetivo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário