Comprar OnLine Equipamentos Médico Hospitalares Contec MED™ BR: Gestantes com níveis altos de anticorpos para doença celíaca têm risco de dar à luz bebês com baixo peso ao nascer

Saúde - Notícias

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Gestantes com níveis altos de anticorpos para doença celíaca têm risco de dar à luz bebês com baixo peso ao nascer

Gestantes com níveis altos de anticorpos para doença celíaca têm risco de dar à luz bebês com baixo peso ao nascer

  • APA
  • 1 Visualizações
    3 estrelas
Gestantes com níveis altos de anticorpos para doença celíaca têm risco de dar à luz bebês com baixo peso ao nascer
De acordo com um estudo holandês de nascimento de coorte, gestantes com níveis médios ou altos de anticorpos comuns em pacientes portadores de doença celíaca têm risco de dar à luz bebês com baixo peso ao nascer, escreve a revista científica "Gastroenterology".
Pesquisadores dos Centros Médicos da Universidade Erasmus, em Roterdã, conduziram um estudo baseado na população com 7.046 gestantes, categorizando as participantes em três grupos de acordo com seus níveis de anticorpos contra transglutaminase tecidual, que indicam o grau de dano na mucosa: anti-tTG negativo (controle), anti-tTG intermediário (logo abaixo do ponto de corte clínico usado para diagnóstico de pacientes com doença celíaca) e anti-tTG positivo (pacientes com alta probabilidade de doença celíaca).
Os cientistas descobriram que, em média, os fetos de mulheres com anti-tTG positivo pesavam 16 gramas a menos do que os de mães com resultado de anti-tTG negativo durante o segundo trimestre de gestação e 74 gramas a menos no terceiro trimestre. Ao nascer, os bebês pesavam 159 gramas a menos.
As crianças no grupo de anti-tTG intermediário pesaram 53 gramas a menos ao nascer do que aquelas no grupo de mulheres controle. Os pesquisadores precisam agora explorar as consequências a longo prazo dos níveis de anti-tTG intermediários para determinar se estes são causados pela gestação ou se refletem um estado subclínico de doença celíaca que requer acompanhamento, concluem os autores.

Nenhum comentário:

Postar um comentário